• Redes sociais:   

NOTÍCIA

dezembro 2, 2018

Este tipo de desenvolvedor é raro no Brasil e por isso ganha até R$ 15 mil

Uma das carreiras mais quentes atualmente na área de desenvolvimento tem atraído profissionais pelos altos salários e possibilidades de trabalho remoto

São Paulo – O plano de Gabriel Sicuto, que atualmente atua como product owner, uma área de negócios do banco Santander, é abrir as portas para o trabalho remoto em sua carreira. “Tenho um grande desejo de viajar e conseguir trabalhar de qualquer lugar”, explica Sicuto, interessado em aderir ao nomadismo digital.

Por isso, decidiu se qualificar como desenvolvedor full-stack, uma das carreiras mais valorizadas atualmente na área de desenvolvimento.

Como product owner, ele, que está há seis anos trabalhando no banco, ele lida diretamente com as áreas de desenvolvimento de aplicações no banco, responsável pela área de negócio de produtos específico. “Fico do outro lado, peço a ações para os desenvolvedores executarem”, conta.

Além do anseio por flexibilidade geográfica e de horário de trabalho e também é movido pelo interesse nessa parte de desenvolvimento, uma das áreas mais quentes de tecnologia.Com salários de parte de 5 mil para início de carreira e chegam a até 14 mil para quem tem experiência, desenvolvedores full-stack podem ser chamados de profissionais “dois-em-um”, e por isso são mais raros e caros.

abem trabalhar tanto no chamado front-end, a parte de interface direta de uma aplicação com o usuário e também no back-end que é a interação da aplicação com o banco de dados, autenticação de usuário e configuração do servidor.

“Esse tipo de desenvolvedor consegue melhores empregos, é um profissional visto como mais sênior, porque tem uma visão mais holística, é mais valorizado, ser full stack amplia leque de atuação”, diz Pedro Falkenbach, growth manager da Ironhack no Brasil, escola global especializada no aprendizado de tecnologia e programação, com unidade em São Paulo.

É lá que Sicuto, está se preparando para a nova carreira. O investimento no curso de 360 horas é de 16 mil, tanto na modalidade integral como noturna. Mulheres têm 10% de desconto.

Fonte: Exame-Abril

Noticias relacionadas

Estas habilidades estão em alta no mercado de tecnologia da informação
São Paulo – Henrique Gamba, sócio-diretor da KINP, fala sobre as tendências do mercado de tecnologia da informação. De acordo com o especialista, três áreas são bastante promissoras. Confira...

Brasil fecha 2018 com queda lenta do desemprego e alta da informalidade
São Paulo – O Brasil encerrou 2018 com 12,195 milhões de desempregados e taxa de desemprego no quarto trimestre no menor patamar do ano, mantendo o ritmo lento e gradual de recuperação do mer...

Sanar o gargalo do ensino técnico é a bandeira do novo ministro
Uma das principais bandeiras do novo ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, é a expansão dos cursos técnicos para preparar jovens para o mercado de trabalho. O gargalo de fato existe. ...

Pessoas com síndrome de Down driblam crise e abrem seus negócios
O cenário econômico brasileiro, marcado pela paralisia de investimentos  e de contratações, afeta também a inclusão de pessoas com síndrome de Down e deficiência intelectual no mercado...

‘O trabalho adoece e mata as pessoas’, alerta especialista de Stanford
Parece exagerado, mas os números não mentem: o atual sistema de trabalhoestá matando as pessoas. Pelo menos é o que afirmou Jeffrey Pfeffer, escritor, pesquisador e professor da Universidade de S...

FALE CONOSCO