• Redes sociais:   

NOTÍCIA

maio 4, 2019

‘O trabalho adoece e mata as pessoas’, alerta especialista de Stanford

Parece exagerado, mas os números não mentem: o atual sistema de trabalhoestá matando as pessoas. Pelo menos é o que afirmou Jeffrey Pfeffer, escritor, pesquisador e professor da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. Evidências compiladas por ele durante décadas mostram que 61% dos trabalhadores americanos consideram o stress como causa de seus problemas de saúde, enquanto 7% revelaram ter sido hospitalizados em algum momento por causas relacionadas ao trabalho. Suas estimativas sugerem que o stress laboral está associado à morte de 120.000 americanos. As informações são da rede BBC.

Segundo Pfeffer, pesquisas indicam que questões associadas ao trabalho seriam a quinta maior causa de morte nos EUA, cujo sistema é copiado pelo mundo afora. No entanto, não é apenas nos Estados Unidos que esse tipo de situação acontece. Em países asiáticos, como Japão e Coreia do Sul, onde o regime laboral é exigente, muitos trabalhadores também morrem por causas ligadas ao stress ou são levados a cometer suicídio por causa dele.

O pesquisador mencionou o caso do japonês Kenji Hamada, homem de 42 anos, que morreu em decorrência de um ataque cardíaco enquanto estava em seu escritório em Tóquio. De acordo com Pfeffer, antes de morrer, Hamada havia trabalhado 40 dias consecutivos sem folga. Isso sem contar as duas horas gastas diariamente para chegar ao trabalho. A esposa de Hamada revelou que ele estava extremamente estressado devido à rotina exaustiva.

Este é apenas um dos inúmeros casos coletados por Pfeffer em seu último livro “Morrendo por um salário” (tradução livre do inglês). “O trabalho tem se tornado desumano. Existem provas dos efeitos da carga excessiva de trabalho na saúde das pessoas. As longas jornadas, demissões e falta de planos de saúde provocam uma enorme insegurança econômica, conflitos familiares e doenças”, comentou à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC.

O especialista ainda ressaltou que ninguém parece estar muito preocupado com este fato, o que agrava ainda mais o cenário.

 

Fonte: https://veja.abril.com.br/saude/o-trabalho-adoece-e-mata-as-pessoas-alerta-especialista-de-stanford/

 

Noticias relacionadas

Estas habilidades estão em alta no mercado de tecnologia da informação
São Paulo – Henrique Gamba, sócio-diretor da KINP, fala sobre as tendências do mercado de tecnologia da informação. De acordo com o especialista, três áreas são bastante promissoras. Confira...

Brasil fecha 2018 com queda lenta do desemprego e alta da informalidade
São Paulo – O Brasil encerrou 2018 com 12,195 milhões de desempregados e taxa de desemprego no quarto trimestre no menor patamar do ano, mantendo o ritmo lento e gradual de recuperação do mer...

Sanar o gargalo do ensino técnico é a bandeira do novo ministro
Uma das principais bandeiras do novo ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, é a expansão dos cursos técnicos para preparar jovens para o mercado de trabalho. O gargalo de fato existe. ...

Pessoas com síndrome de Down driblam crise e abrem seus negócios
O cenário econômico brasileiro, marcado pela paralisia de investimentos  e de contratações, afeta também a inclusão de pessoas com síndrome de Down e deficiência intelectual no mercado...

Desemprego sobe e atinge 13,1 milhões em fevereiro
A taxa de desemprego no Brasil subiu para 12,4% no trimestre fechado em fevereiro, acima dos 11,6% registrados no período anterior. Os números são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios ...

FALE CONOSCO